Projeto: Ação Aprender na Rua

Descrição

A Ação “Aprender na Rua” consiste num conjunto diversificado de atividades, tendo em vista o desenvolvimento de competências pessoais e sociais, numa perspetiva do crescimento saudável das crianças e utiliza como recurso estratégico a Unidade Móvel Ludico-Pedagógica, como suporte às atividades que são realizadas.

O contexto onde esta ação decorre – na rua – confere-lhe um caráter aberto (a toda a comunidade) e flexível (adaptado aos participantes), exigindo da equipa o recurso a técnicas lúdico-pedagógicas inovadoras por forma a estimular nas crianças a confiança e a motivação para abordar variados temas e problemáticas. Esta ação espelha aquilo que é a metodologia por execelência do Projecto Rua “Ir ao encontro e estar com…”.

O carácter lúdico desta Ação, facilita a abordagem e proximidade à criança e permite, com maior facilidade, identificar situações de risco, que posteriormente terão de ser alvo de um diagnóstico junto das entidades parceiras. É frequente observarmos crianças com comportamentos inadequados, que são fruto de uma ausência de transmissão de afetos e valores e que se refletem no relacionamento interpessoal. No entanto, e após o diagnóstico mais aprofundado, com alguma frequência são identificadas situações de negligência grave ao nível da satisfação das necessidades biológicas e psicossociais das crianças, maus tratos ou exposição a situações de violência doméstica.

Nesta medida, é fundamental a proximidade com as famílias destas crianças. A abordagem e o acompanhamento assentam no reforço da motivação e valorização do seu papel de pais, no respeito pelo seu ritmo individual, no processo de mudança, na valorização dos próprios filhos, facilitando a compreensão dos comportamentos manifestados e orientando a família para a adoção de novas atitudes perante os filhos.

Área de Intervenção

Educação e Social

Público-Alvo

Apesar do contexto onde ela é desenvolvida (a rua, o bairro), que lhe confere um carácter mais aberto, o tipo de atividades que são desenvolvidas, destinam-se principalmente às crianças do 1º ciclo (entre e os 6 e os 12 anos).

Objetivos Gerais

  • Prevenir e reparar situações de risco, de crianças a descoberto de respostas institucionais e/ou em complementaridade com os recursos existentes, promovendo a ocupação saudável e motivando-as para a frequência escolar.

Âmbito (Nacional ou Internacional)

Nacional

Identificação de Parcerias Externas

A intervenção em contexto comunitário e a dinamização da Ação “Aprender na Rua”, permitem à equipa identificar algumas situações de crianças e jovens em risco/perigo e para as quais é necessário, sempre em conjunto com os parceiros locais, encontrar as respostas/encaminhamentos mais indicados a cada situação. Os projetos integrados assumem aqui especial relevância, materializando-se, por vezes, na constituição de grupos interinstitucionais, e em cada comunidade por onde esta ação já passou, esta constituíu sempre uma prioridade desta equipa. O Bairro Dr. Alfredo Bensaúde também não foi exceção: o IAC ajudou à constituição e integrou os atuais grupos existentes, nomeadamente o Grupo Comunitário Bensaúde; o Grupo de Segurança Bensaúde e o Grupo Interinstitucional de Crianças em Risco. Nos dois primeiros, fazem parte as seguintes entidades: Junta de Freguesia dos Olivais; o IAC; a Gebalis; a SCML; o Agrupamento Escolas das Piscinas; a Polícia Municipal; a CML; a Associação de Mulheres sem Fronteiras; a a Animalife. O terceiro grupo mencionado, é mais restrito e dele fazem apenas parte o IAC; a SCML e a EB1/JI Santa Maria dos Olivais.

A equipa assume ainda um papel de mediação interinstitucional, uma vez que se encontra numa posição privilegiada de contacto com a população e porque nem sempre as relações de parceiros são pautadas pelo entendimento harmonioso entre as partes.

Articulação entre serviços intervenientes e áreas transversais

Área da Cooperação Nacional e Internacional, no que diz respeito à Rede Juvenil “Crescer Juntos”.

Período de Execução

A Ação inovadora “Aprender na Rua”, foi criada em 2004, tendo abrangido diversas comunidades (Bº 6 de Maio, Bº Famões, Bº Arroja, Bº Boavista, Bº Qtª da Serra) e está neste momento a ser priorizada no Bº Alfredo Bensaúde, freguesia dos Olivais, em Lisboa.

Principais Resultados

Dos dados recolhidos entre 2004 e 2014, houve intervenção em 6 comunidades. Foram abrangidas 1814 crianças, das quais 249 se reportaram a crianças em situação de perigo.
De 2015 a 2019 privilegiamos a intervenção no Bairro Dr. Alfredo Bensaúde. O gráfico apresenta o número de crianças abrangidas durante este período (de Forma Sistemática/Não Sistemática/Pontual/Indireta e as Crianças em Risco.

Galeria de Fotos