Recursos

A Criança Desaparecida e a Linha 116 000

A Criança Desaparecida e a Linha 116 000

Em 2004, com o intuito de combater as situações de desaparecimento, rapto e abuso sexual, criou [o IAC – SOS-Criança] a valência do SOS-Criança Desaparecida, a que podem ter acesso através do número de telefone gratuito 116 000. Em Portugal, o número foi atribuído ao Instituto de Apoio à Criança, por despacho ministerial do Ministério da Administração Interna em agosto de 2007, e veio substituir o número 1410, criado em 25 de maio de 2004 para participar situações de Crianças Desaparecidas.O telefone 116 000 começou a funcionar em Portugal em 2008 e em 2009 é lançado em simultâneo em 10 Estados Membros. Clique para ler.

A Path of Utopia: Creating Reality: 25 Years

A Path of Utopia: Creating Reality: 25 Years

Esta publicação em língua inglesa é distribuída nos Encontros internacionais aos parceiros do IAC. Nela se apresenta um resumo dos principais projectos que cada sector do IAC realizou desde a sua criação, para além de conter informação que mostra o grande contributo que o IAC deu para a causa da Promoção e Defesa dos Direitos da Criança em Portugal, desde a sua criação em 1983. Clique para visualizar.

Aprendizagem @ Distância

Em virtude das limitações impostas pela Pandemia Covid-19, que vieram alterar as nossas vivências, nomeadamente no contexto académico, o sistema educativo viu-se confrontado com a necessidade de adotar medidas alternativas com vista a assegurar as aprendizagens das crianças e jovens. Assim, não obstante a atual conjuntura e com objetivo de atestar que todos os alunos continuassem a aprender, o ensino a distância constituiu-se como uma solução. Clique para ler.

Caderno em Casa com Direitos

Recurso Digital sobre alguns dos Direitos da Criança presentes na Convenção sobre os Direitos da Criança de 1989 e o trabalho desenvolvido pelo IAC. Art.º 12 Direito à Participação, Art.º 19 Direito à Proteção, Art.º 24 Direito à Saúde, Art.º 28 Direito à Educação, Art.º 31 Direito a Brincar. Clique para ler.

Clube dos Amigos da Mediação

No âmbito do Projeto de Mediação Escolar, o IAC-Polo de Coimbra elaborou um programa que foi implementado no Agrupamento de Escolas de Alvaiázere pela equipa GAAF e que vai ser agora apresentado a toda a rede GAAF do Instituto de Apoio à Criança. Trata-se do “Clube dos Amigos da Mediação”, que pretende ser mais um recurso da escola na promoção das questões do respeito pela diversidade, da paz e da não-violência. A ideia é sensibilizar e formar alunos sobre novas abordagens de gestão de conflitos, de forma mais ou menos informal, num processo voluntário, com vista ao desenvolvimento de competências de mediação entre pares. Clique para visualizar.

Descarregar no separador Direitos da Criança / Recursos

Comportamentos autolesivos e suicidários na adolescência: identificar para ajudar

A adolescência corresponde a uma etapa de desenvolvimento com diversos desafios e vulnerabilidades, impelindo a uma adaptação não só em aspetos de cariz pessoal como de natureza interpessoal. Perante as vulnerabilidades existentes nesta etapa de desenvolvimento existe uma tendência para os comportamentos de risco que se apresentam como um sinal de sofrimento cada vez mais frequente na adolescência, atingindo proporções alarmantes. Neste sentido, parece-nos muito pertinente e imperativo a abordagem de questões do foro mental, nomeadamente os comportamentos autolesivos e suicidários na adolescência. Pretendemos assim que esta publicação possa ser um guia útil no sentido da prevenção, da deteção de sinais de alerta, da leitura de comportamentos e atitudes e de algumas pistas para uma adequada intervenção. Clique para visualizar.

CoronaVírus e Crianças em Serviços de Saúde

As crianças* não são pequenos adultos: diferem física e mentalmente dos adultos e reagem de diferentes formas. As políticas feitas para adultos não podem simplesmente ser transpostas para as crianças. A EACH apela a todos os governos, agentes políticos, funcionários de hospitais e outras unidades de saúde, bem como aos médicos, que respeitem as necessidades e os direitos das crianças no que diz respeito às consequências do Coronavírus, conforme estipulado na Carta da Criança Hospitalizada(CCH). Clique para ler.